By Mariana Pessoa • March 19, 2020

Para os gestores: como não perder o controle no momento de crise?

Já selecionamos uma série de conteúdos sobre a gestão dos negócios, clientes e funcionários em meio à situação de calamidade relacionada à epidemia do coronavírus. Este artigo é especialmente voltado para você, gestor, colocar a cabeça no lugar.

Pensar nas pessoas que contam com o seu serviço é a prioridade em um cenário de mudanças que preocupam toda a população. Entretanto, pensar em soluções rápidas que façam o negócio sobreviver entre a onda de caos é uma tarefa difícil, que exige muita agilidade das pessoas que estão à frente da equipe.

Muitos fatores impactam a saúde dos empreendimentos, e uma delas é a estabilidade emocional do administrador. Neste artigo, separamos os melhores conselhos para te ajudar refrescar a mente e tomar novamente as rédeas do seu estabelecimento.

 

1. Mantenha a calma

Entendemos que essa é uma conjuntura completamente inédita e que não podemos controlar, e isso pode gerar uma grande dose de estresse. Porém, a pressão emocional pode abaixar a imunidade e te deixar vulnerável ao contágio. Diante disso, o melhor é voltar-se para o que está ao seu alcance agora e distinguir os problemas que não se pode resolver por si só.

Concentre-se no que você pode fazer como pai, como filho e como cidadão. Torne-se útil dentro da sua capacidade, seja ficando em casa, seja dando folga aos seus funcionários ou ajudando vizinhos. Transmita segurança para a sua família, tenha um diálogo aberto com os seus colaboradores, e até mesmo se ofereça para fazer compra para os idosos da sua vizinhança.

Fora isso, prepare-se para preencher o tempo do período de isolamento. Mantenha a normalidade da rotina, comendo nas horas de sempre e fazendo o que gosta, e reflita sobre o que precisa mudar para colocar em prática quando a quarentena passar.

 

2.Previna-se

Tomar os cuidados básicos pode fornecer a sensação de segurança e dever cumprido. Por isso, não abra mão de relembrar sempre a pessoas com as quais você convive dos hábitos de prevenção, além de divulgá-los constantemente nos veículos do seu negócio. Tenha muita cautela com o seu estabelecimento, assim como com a sua própria saúde.

Não descuide das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS):

  • Lavar regularmente as mãos com sabão (por ao menos 20 segundos) ou com solução ao menos 60% à base de álcool;
  • Cobrir tosses e espirros com lenço de papel ou com o cotovelo, e não com as mãos;
  • Evitar tocar os olhos, nariz e boa com as mãos não lavadas;
  • Limitar o contato com pessoas doentes, e ficar em casa se estiver com os sintomas.

 

3.Filtre as informações

Os veículos de comunicação existem para nos manter atualizados e fornecer orientação para o tipo de situação que enfrentamos agora. Mas devido à enorme quantidade de informação distribuída que chega por todos os lados, é necessário tomar cuidado para não se deixar levar pelo pânico generalizado.

Para isso, selecione canais de confiança e evite compartilhar mensagens das quais você não sabe a procedência. Fuja das ondas de desespero que a mídia pode vir a provocar, e não se exponha nas redes sociais. Converse sempre com pessoas próximas, antes de espalhar o medo para o próximo.

 

4.Pense positivo

Por fim, é importante ter em mente que este momento é mais um na história da humanidade, e que, assim como todos os outros que passaram, vai terminar. Não há motivo para exasperação, por mais que a sensação seja de que tudo está em parafuso. Entenda que cada um tem o seu papel que, se desempenhado, vai nos ajudar a enfrentar a crise antes mesmo de esperarmos.

Além disso, esta é uma oportunidade de aprendermos e refletirmos sobre o que fazer no futuro. Use o tempo de recolhimento para colocar no papel suas ideias e projetos para quando tudo passar.