By Mariana Pessoa • June 22, 2020

Como as academias estão incentivando os clientes a permanecerem consumindo o serviço

Todas as academias no mundo todo sentiram os efeitos da pandemia do COVID-19 em vários graus. À medida os negócios reabrem em diferentes fases, as marcas tiveram que dar uma olhada no tamanho das suas dívidas enquanto eram forçados a fechar. Está sendo necessário repensar suas políticas de pagamento e decidir se devem congelar ou cancelar as assinaturas - com ou sem taxas, caminhando entre uma tentativa de manter seus negócios funcionando, e lidando com os alunos que são igualmente afetados pela pandemia.

Para incentivar os clientes a manterem sua assinatura durante o período, as academias testaram ofertas novas e criativas para justificar a cobrança com o estabelecimento fechado. Conversamos com marcas de todo o mundo sobre quais ideias e incentivos inovadores surgiram e como a base de clientes reagiu.

 

Os primeiros a reabrir confiavam na fidelidade dos clientes

Em uma das primeiras áreas do mundo a reabrir, o Catic Wellness Group, com 53 unidades em toda a China, incentivou os clientes a voltarem para as academias com vários incentivos, como campanhas de "traga um amigo", vendas on-line oferecendo ofertas relâmpago de treinamento individual, pacotes combinados com tratamentos e produtos de spa, além de outros prêmios de sorteio.

Em um golpe de sorte (ou pela fidelidade clientes), o Xian MegaFit, também na China, não teve um único cancelamento devido aos fechamentos relacionados ao COVID-19. A academia congelou todas as mensalidades durante a quarentena (que durou três meses) sem nenhum custo. Um incentivo bem-sucedido para incentivar sessões de treinamento individual e em pequenos grupos foi oferecer uma aula gratuita para cada três compradas. Eles também ofereceram uma aula sem custos aos clientes que não voltaram desde que reabriram.

“Eu sempre acredito que os alunos são nossos ativos mais valiosos. Uma vez satisfeitos e com confiança em nós, os negócios se recuperariam gradualmente…. Para nós, bom atendimento significa satisfação do cliente, o que traz mais negócios eventualmente. O fato é que 65% de nossa receita anual é proveniente de renovação de contratos e indicações”, diz a CEO Anita Peng.

 

Milhões de pessoas online na América Latina

O Megatlon Group, uma empresa de 52 academias da Argentina prometeu compensar seus clientes por cada dia de fechamento, estendendo os contratos de associação pelo número equivalente do período, que foram "muito bem recebidos", segundo Raúl Wainraich, diretor comercial. A Megatlon ofereceu serviços digitais exclusivos para quem participava frequentemente de suas aulas online, incluindo sessões de treinamento personalizadas de 45 minutos com instrutores de musculação e aulas de spin-up por meio de grupos privados do Zoom. Eles também ofereceram uma variedade de aulas gratuitas para toda a comunidade via Instagram e YouTube, o que aumentou o número de seguidores de 45.000 antes da pandemia para mais de 210.000 seguidores no Instagram e 80.000 visualizações no YouTube.

O Grupo Bodytech, com unidades na Colômbia, Peru e Chile, congelou todos os planos de associação, sem cobranças recorrentes durante os fechamentos. Eles se concentraram em incentivar suas comunidades a manter atividades físicas e hábitos de vida saudáveis ​​por meio de sessões de treinamento em grupo que atraíram mais de 2.500.000 pessoas online na Colômbia.

"Fortalecemos nossa conexão com eles, sempre nos mostrando ao lado deles para acompanhá-los nesse isolamento", diz Gigliola Aycardi, vice-presidente executiva e cofundadora. “Nós realmente nos preocupamos com a sua saúde e de suas famílias. Nossa equipe médica os chamou para monitorar sua saúde. O que fizemos sinceramente priorizando o públic... acredito que isso fará com que nossos afiliados fiquem conosco. É isso que esperamos. E, ao retornar, teremos para eles o ambiente mais seguro que podemos oferecer, para que se sintam protegidos e confiantes para praticar exercícios em nossas instalações.”

 

Academias dos EUA incentivadas por meio de concursos e prêmios

Nos EUA, a Razor Sharp Fitness , com duas localidades em Wisconsin, teve 350 associados que mantiveram suas associações descongeladas para apoiar a equipe e o negócio. Em troca, eles receberam duas sessões de treinamento pessoal de 30 minutos, três sessões de treinamento em pequenos grupos, assinatura premium ou um vale-presente de US $ 25. Segundo o gerente geral Jacob Thomas, apenas cerca de 5% desses clientes realmente ganharam com os incentivos.

O Spark Fitness and Tennis Club, em Andover, MA, relatou que aproximadamente 25% de seu público continuou pagando mensalidades durante o fechamento. Durante esse período, eles colocaram esses nomes em um chapéu e escolheram 50 pessoas que ganharam uma camiseta Spark - “um pequeno sinal, mas muito apreciado”, diz a gerente de operações Janelle Boksanski.

“Nós criamos um post social divertido. Cada líder de equipe tirou os nomes de um chapéu / balde enquanto estava em casa, e transmitiu online para publicarmos. Também estamos enviando notas de agradecimento para cada um”, diz ela.

Esses exemplos das academias associadas da IHRSA mostram que, com um pouco de flexibilidade e inovação, é possível sair do outro lado dessa pandemia global, com uma base de sócios tão forte quanto antes. Vale a pena notar que em quase todas os insights, o gestor enfatizou que a espinha dorsal de seu sucesso são seus clientes leais e que é extremamente importante manter a confiança com eles através da comunicação durante toda essa pandemia. Expressaram por unanimidade que tinham confiança em suas comunidades para retornar por causa dos relacionamentos que trabalharam tanto para construir.