By Samantha Cortijo • August 19, 2020

A eficácia do uso de máscaras durante a prática de atividades físicas

Estudos estão revelando a eficácia do uso de máscaras para conter a propagação de COVID-19. Saiba o que os pesquisadores estão descobrindo à medida que desenvolvemos políticas de proteção para as academias.

Como a pandemia de COVID-19 continua a se espalhar em algumas regiões, as autoridades de saúde estão exigindo cada vez mais que todos usem máscaras. Isso porque elas podem ser uma estratégia importante para reduzir a disseminação do vírus entre as pessoas, dada a disseminação já conhecida de COVID-19 entre indivíduos que ainda não são (ou nunca se tornaram) sintomáticos. 

 

Máscaras e coberturas faciais impedem a propagação? 

As evidências disponíveis parecem apoiar o uso generalizado de máscaras para ajudar a reduzir a transmissão de COVID-19. 

Um estudo da Health Affairs analisou a associação entre as políticas que exigem que o público use máscaras e a taxa de crescimento de COVID-19 em 15 estados e Washington DC. Os resultados encontraram uma relação entre os requisitos do uso de máscara e a diminuição da taxa de crescimento diário de COVID- 19 durante o período estudado, de 8 de abril a 15 de maio de 2020. O estudo estima que essa medida possivelmente evitaram até 230.000–450.000 casos de COVID-19 em 22 de maio. 

Em um estudo semelhante, pesquisadores da Texas A&M University utilizaram análises estatísticas e projeções de tendências para estimar o efeito dos procedimentos de mitigação na China, Itália e Nova York. Eles descobriram que o uso de máscara facial reduziu o número de infecções em mais de 78.000 na Itália entre 6 de abril a 9 de maio e em mais de 66.000 na cidade de Nova York entre 17 de abril a 9 de maio. 

Outra revisão sistemática publicada no Lancet analisou dados de 172 estudos, incluindo: 

  • SARS-CoV-2 (o coronavírus que causa COVID-19); 
  • Coronavírus que causam síndrome respiratória aguda grave (SARS) e sistema respiratório do Oriente Médio (MERS). 

De acordo com os estudos, o risco de transmissão diminui com pelo menos um metro de distância física, com aumento da proteção em distâncias maiores. O uso de máscara ou cobertura facial também aumenta a proteção. Como esperado, o N95 e outras máscaras respiratórias foram mais eficazes, mas as coberturas de pano para o rosto tiveram alguns benefícios. 

As descobertas publicadas no Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA podem dar um exemplo do mundo real em apoio a essas descobertas. Segundo o relatório, dois cabeleireiros trabalharam sintomáticos, expondo 139 clientes ao COVID-19. No entanto, tanto os cabeleireiros quanto os clientes usavam máscaras, conforme exigido pela política local. Após rastreamento de contato e acompanhamento, nenhum dos sintomas relatados expostos, e dos 67 testados, todos deram resultados negativos para COVID-19. Embora existam limitações para a aplicação desta pesquisa (incluindo a possibilidade de falsos negativos e dados ausentes), a falta de propagação foi, em parte, atribuída à política de máscara. 

 

É importante observar que a maioria das evidências sugere que o uso de máscaras e coberturas faciais é mais eficaz na proteção de outras pessoas da exposição às gotículas respiratórias do usuário, em oposição à proteção do usuário de COVID-19. No entanto, há novas evidências que sugerem benefícios também para o usuário da máscara. 

 

As coberturas faciais de pano são eficazes? 

Uma questão que continua a surgir: as coberturas de tecido para o rosto - versus máscaras cirúrgicas ou respiratórias - são eficazes? 

Pesquisa conduzida na Florida Atlantic University e publicada na revista Physics of Fluid teve como objetivo responder a essa pergunta por meio da visualização de tosses e espirros simulados com vários tipos de máscaras. Eles descobriram que bandanas e lenços de algodão amarrados eram minimamente eficazes, com gotículas respiratórias tossidas viajando por cerca de um a três pés e meio. Máscaras de pano feitas em casa com várias camadas de material acolchoado eram muito mais eficazes, limitando a propagação das gotas a apenas 5 cm. As máscaras de venda livre, como as que você pode comprar em uma farmácia local, continham gotas espalhadas por cerca de 20 centímetros. Em comparação, uma tosse descoberta percorreu cerca de 2,5 metros. 

Embora as bandanas não fossem tão eficazes quanto outras máscaras de tecido, elas continham gotículas espalhadas a uma distância menor que os seis pés de distância física recomendada pelo CDC. Esses dados reforçam a importância de combinar as máscaras e o distanciamento físico, conforme recomendado pela maioria das autoridades de saúde, para ajudar a diminuir a disseminação do COVID-19. 

 

Existem riscos no uso da máscara durante o exercício? 

A OMS (Organização Mundial da Saúde) não recomenda o uso de máscara durante o exercício porque pode dificultar a respiração. Além disso, o suor pode molhar a máscara, o que afeta a respiração e promove o crescimento de microorganismos. 

O CDC recomenda o uso de máscara em público quando não é possível manter o distanciamento físico. O CDC desencoraja o uso de máscara nos casos em que ela possa se molhar (nadar). Eles também observam que se as pessoas não puderem usar durante atividades de alta intensidade, elas devem fazer a atividade onde haja ventilação adequada e troca de ar - como fora de casa - e/ou manter o distanciamento físico. 

 

 

Embora o risco de efeitos adversos relacionados ao exercício com máscara não seja bem compreendido, houve relatos de efeitos colaterais e mortes. Na China, a evidência anedótica sugere que três estudantes em diferentes cidades morreram depois de usarem uma máscara durante as atividades de educação física na escola. Com as ordens de permanência em casa e outras restrições ainda em vigor, a realização de estudos experimentais para avaliar os vários efeitos do exercício com máscara não foi possível. Pesquisadores que realizaram experiências próprias relatam resultados variados: algumas pessoas toleram bem o uso da máscara e outras sentem tonturas e vertigens. 

Len Kravitz, professor de ciência do exercício na Universidade do Novo México, disse ao Irish Times que algumas pessoas podem ficar com a cabeça leve ao usar uma máscara durante o esforço. Quando ele fez um teste informal com dois de seus alunos já em forma, um correu mascarado sem problemas, enquanto o outro ficou tonto depois de alguns minutos. 

O que levanta a questão: como as academias de ginástica podem implementar políticas de máscaras (voluntariamente ou conforme exigido pelas autoridades de saúde) com segurança e eficácia? 

 

Orientação sobre exercícios seguros com máscara 

 

  1. Tome cuidado e fique de olho nos sintomas

 

Na orientação publicada pelo American Council on Exercise (ACE) sobre exercícios com coberturas faciais, os autores observam que os praticantes de exercícios podem sentir efeitos colaterais, incluindo tonturas, desmaios e falta de ar. Se esses sintomas ocorrerem, eles recomendam que a pessoa pare de se exercitar, e se os sintomas não desaparecerem, façam repouso e remoção da máscara. Eles também observam que alguns desses sintomas podem estar associados a outras condições de saúde, como asma, pressão baixa ou açúcar no sangue. Pessoas com problemas de saúde preexistentes devem ter cuidado extra ao se exercitar com máscara. 

As academias podem comunicar os riscos aos sócios para ajudá-los a retomar os treinos com segurança e da maneira mais confortável possível. 

 

  1. Faça uma abordagem moderada da intensidade do exercício

 

Uma das razões pelas quais as máscaras podem ser desconfortáveis ​​durante o exercício é devido ao seu efeito na frequência cardíaca e no esforço percebido. 

Cedric Bryant, PhD, presidente da ACE e diretor de ciências, disse ao Irish Times: “Em minha experiência pessoal, os batimentos cardíacos são mais altos com a mesma intensidade relativa quando você usa uma máscara. Você deve antecipar que será cerca de oito a 10 batidas a mais por minuto. ” 

De acordo com Christa Janse van Rensburg, MD, PhD, MMed, MSc, MBChB, FACSM, FFIMS, professora de ciência do exercício na Universidade de Pretória na África do Sul que co-escreveu um texto recente sobre máscaras e exercícios, coberturas faciais podem aumentar esforço percebido e diminuição do desempenho durante o treinamento de resistência. A evidência com respeito ao exercício aeróbio é menos clara; máscaras cirúrgicas podem aumentar a percepção de falta de ar, mas o efeito no desempenho não foi estabelecido. Van Rensburg também aponta evidências de que bandanas e máscaras de tecido podem aumentar o esforço respiratório e causar algum acúmulo de dióxido de carbono, comparando-o até certo ponto com o treinamento em altitude. 

Tanto Bryant quanto Van Rensburg observam que isso tornaria especialmente os exercícios de alta intensidade mais desafiadores. A orientação da ACE aconselha os profissionais de exercícios a encorajarem os clientes a se exercitarem em uma intensidade menor do que o normal, a usar o esforço percebido e a frequência cardíaca para orientar o nível de intensidade e a dar a si próprios várias semanas para se adaptarem aos exercícios com uma cobertura facial. Este conselho é particularmente relevante quando os membros retomam os treinos na academia após vários meses de pedidos para ficar em casa e outras restrições que podem ter reduzido seu nível de condicionamento físico. 

 

  1. Escolha o tipo certo de cobertura facial

 

Van Rensburg observa que o ajuste e o material de uma cobertura facial podem ajudar a minimizar os efeitos negativos. Ela recomenda evitar máscaras cirúrgicas ou de algodão em favor de máscaras de pano feitas de material respirável. Ela também recomenda duas camadas de pano para equilibrar a eficácia da máscara, mantendo algum conforto. 

Quanto à máscara úmida, Van Rensburg desaconselha o uso de máscara úmida por um longo período. Escolher um material que absorva a umidade ou trazer uma segunda máscara de polimento ou tecido durante o exercício para trocar pode ajudar os praticantes a evitar o uso de máscara molhada. Porém, ao fazer isso, ela recomenda levar também desinfetante para as mãos para evitar contaminação cruzada da máscara usada. 

Algumas pessoas que não podem ou optaram por não usar máscara passaram a usar protetores faciais. De acordo com a Cleveland Clinic, os protetores faciais podem proteger efetivamente o usuário de gotículas (em um estudo usando o vírus da gripe, ele reduziu a exposição à tosse em 96%). Ainda assim, por estar aberto na parte inferior, as gotículas do escudo têm maior probabilidade de escapar. Esse escape potencial de gotículas torna o escudo menos eficaz em comparação com as máscaras na proteção de outras pessoas. Protetores faciais podem ser uma boa alternativa para situações em que a máscara não é ideal - por exemplo, cuidadores de pessoas surdas ou com deficiência auditiva que leem lábios. No entanto, aqueles que usam protetores faciais precisam manter distância física para proteger outras pessoas da transmissão. 

Evidências científicas apoiam amplamente o uso de máscara e cobertura facial como estratégia para retardar a disseminação de COVID-19 na comunidade. No entanto, algumas pessoas podem ter dificuldade em se exercitar com máscara e, mesmo entre aquelas sem efeitos adversos, o uso de máscara para cobertura facial pode afetar a intensidade, a duração e o esforço percebido do exercício. As academias de ginástica podem instruir a equipe e os consumidores sobre as considerações de se exercitar com a máscara, incluindo quaisquer adaptações que possam ajudá-los a se exercitar com mais segurança e conforto com a máscara, se assim escolherem ou forem obrigados a fazê-lo.